Vai-se homem fica sua Arte, que bela homenagem de Adriano Nunes a Belchior. Ave Poesia!

“Belchior”

Ser o mesmo
Ou não ser –
Eis a canção

A esfacelar a
Fundo o peito
Dos desejos

Que já não são,
A vida rara
Dada à ilusão

De um sentido,
De uma nota
Em pausa, risco

N’alma, que aflora
Das tensas cordas
De algum agora.

Eis a questão:
Ser como são
Todos ou não.

Poema de Adriano Nunes, leiam mais poemas em seu blog: http://astripasdoverso.blogspot.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *