Hoje em meu entardecer, o poema Horizontes de Pedro Du Bois, também na bela versão de Marina Du Bois. E vamos esparramar poesia!

Horizonte

HORIZONTES – Pedro Du Bois

Na fórmula encerra o contexto.
Nenhum número impensado à palavra.
Nenhum verbo disparado à ação.
Nenhuma palavra armada em números.

O lugar comum permite ao cientista
avançar a busca: o inalcançável
se faz longe em horizontes.

(Os horizontes se repetem).

HORIZONS – Marina Du Bois, versão

The formula keeps the context.
No number is unidvised to the Word.
No verb is fired to action.
No word is armed in numbers.

The common place lets the cientist
progress the search: the unachievable
is made far away in horizons.

(The horizons reapet itselves).

Leiam outros poemas aqui:http://pedrodubois.blogspot.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *